terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Cultura Renova-se



Gosto da Fnac, do formato das suas lojas (principalmente do Chiado), bem como da sua proposta inicial de tornar acessíveis produtos e eventos culturais. Esta campanha pode ter corrido mal, foi claramente um erro de marketing, mas o que interessa ao consumidor é que baixem os preços dos livros sem cartões, cupões, descontos, trocas e outras promoções. 

sábado, 28 de janeiro de 2012

Porque hoje é Sábado...



Nas últimas semanas tive a oportunidade de ler, a única obra de Hitchens traduzida para o mercado luso, "deus não é Grande - Como a religião envenena tudo" (D. Quixote).  
Mas já vamos ao livro, começo por apresentar o autor: Cristopher Hitchens (1949-2011), intelectual, jornalista, correspondente de guerra e critico literário, colaborou em publicações como: The Atlantic; Vanity Fair; The Nation; Wall Street Journal; The Spectator, entre outras. Hitchens combina uma série de qualidades, que raramente aparecem em conjunto, a saber: inteligência em largas doses, pensamento claro e bem definido, espírito crítico bastante aguçado, escrita elegante, frontalidade, nenhum receio da polémica e um refinado sentido de humor. 
O leitor, acha pouco? Nesse caso, sugiro um exercício: Em dez minutos, pense em dez autores com os mesmos atributos! Difícil, não é? Logo vi! Posso adiantar que, todas as suas qualidades levaram a que, na língua inglesa, surgisse o neologismo Hitchslap: acto que consiste em obliterar completamente o argumento de outra pessoa. Hitchens, por mérito próprio, tornou-se "bigger than life".
Relativamente ao livro, esta obra, é uma critica às principais religiões (nenhuma fica de fora). São apresentadas "quatro objecções irredutíveis à fé religiosa" (falseia a origem do homem; combina subserviência com solipsismo; é resultado e causa de repressão sexual; é fundamentada em pensamento ilusório), o autor  reafirma que é possível viver uma vida ética sem a necessidade da mão condutora de um criador. Não sendo o melhor trabalho de Hitchens, esta obra não acrescenta factos novos ao que já foi dito, vale a pena uma leitura atenta, tanto pela eloquência, como pela capacidade de argumentação apresentadas no texto. 

Última nota (só para editores): E que tal termos o resto da sua obra traduzida?  Não restam muitos autores desta qualidade.


sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

YES OBAMA CAN...GYMKHANA



Da série:  Também há disto na América?

Ainda há aventureiros

Primeiro foi assim RoadToWorldCup

Depois deu nisto O Livro

Agora andam aqui EstradadaRevolução

Projectos de uns amigos do Baleal e de longa data cujas aventuras, textos, imagens e fotografias são invejáveis. Aconselho vivamente a participar, a comprar, a acompanhar.

Boa viagem rapazes.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Wake up!!


No último ano, o WALL STREET JOURNAL noticiou que a nossa educação está de rastos, esta semana afirma que vamos precisar de novo resgate financeiro, as agências de rating  consideram a divida pública nacional ao nível de lixo. O que os economistas e analistas norte-americanos, que sabem que estamos num buraco, estão a tentar dizer a Portugal e à Europa resume-se a um simples : "WAKE UP AND SMELL THE COFFIN!!"

Tea Party


Na última semana tive a oportunidade de ler o livro "Tea Party - Conheça a ala conservadora radical do Partido Republicano" de Kate Zernike e publicado pela editora Aletheia. Na realidade, trata-se de uma excelente oportunidade para conhecer melhor o interior deste movimento que tem vindo a abalar o sistema político e social norte-americano. O livro revela-nos as suas origens, pontos que defende e o papel que poderá desempenhar no futuro da política americana, e consequentemente mundial, mas ficou a faltar no meu espírito um maior desenvolvimento da tão falada ligação deste movimento com grupos de lobbying representantes das grandes "corporations". 
Inúmeros relatórios ligam o Movimento Tea Party a inúmeros benefícios na casa dos milhões de dólares provenientes de fundações  de cariz conservador originárias de famílias norte-americanas milionárias e dos seus interesses empresariais. A título de exemplo, deixo aqui algumas linhas que facilmente podemos aceder na Internet e que nos poderão dar uma perspectiva diferente desta organização e até que ponto grandes grupos empresariais se colaram a este movimento (até ver de origem popular...).

In an article in the August 30, 2010 issue of The New Yorker magazine, author Jane Mayer links the billionaire brothers David Koch and Charles Koch, owners of Koch Industries to tea party movement funding. Mayer writes,

The anti-government fervor infusing the 2010 elections represents a political triumph for the Kochs. By giving money to “educate”, fund, and organize Tea Party protesters, they have helped turn their private agenda into a mass movement. Bruce Bartlett, a conservative economist and a historian, who once worked at the National Center for Policy Analysis, a Dallas-based think tank that the Kochs fund, said, “The problem with the whole libertarian movement is that it’s been all chiefs and no Indians. There haven’t been any actual people, like voters, who give a crap about it. So the problem for the Kochs has been trying to create a movement.” With the emergence of the Tea Party, he said, “everyone suddenly sees that for the first time there are Indians out there - people who can provide real ideological power.” The Kochs, he said, are “trying to shape and control and channel the populist uprising into their own policies.

Is appears that money to organize and implement the Movement flows primarily through two conservative groups: Americans for Prosperity and FreedomWorks.
In an April 9, 2009 article on ThinkProgress.org, Lee Fang reports that the principal organizers of Tea Party events are Americans for Prosperity and Freedom Works, two "lobbyist-run think tanks" that are "well funded" and that provide the logistics and organizing for the Tea Party movement from coast to coast. Media Matters reported that David Koch of Koch Industries was a co-founder of Citizens for a Sound Economy (CSE), the predecessor of FreedomWorks. David Koch was chairman of the board of directors of CSE. CSE received substantial funding from David Koch of Koch Industries, which is the largest privately-held energy company in the country, and the conservative Koch Family Foundations, which make substantial annual donations to conservative think tanks, advocacy groups, etc. Media Matters reported that the Koch family has given more than $12 million to CSE (predecessor of FreedomWorks) between 1985 and 2002.

Koch Industries has denied specifically funding Freedomworks or tea parties directly, however. The company's director of communications wrote ""Koch companies value free speech and believe it is good to have more Americans engaged in key policy issues. That said, Koch companies, the Koch foundations, Charles Koch and David Koch have no ties to and have never given money to FreedomWorks. In addition, no funding has been provided by Koch companies, the Koch foundations, Charles Koch or David Koch specifically to support the tea parties." Koch's director of communications did affirm, however, that the company funds Americans for Prosperity (AFP). TPM's Lee Fang reports that "AFP was founded in part by the company's Executive Vice President, David Koch. He is currently the chairman of the board of the "Americans for Prosperity Foundation."
Media Matters also lists the Sarah Scaife Foundation as having given a total of $2.96 million in funding to FreedomWorks. The Sarah Mellon Scaife Foundation is financed by the Mellon industrial, oil, and banking fortune.
The Claude R. Lambe Foundation, also controlled by the Koch family, has donated more than $3 million to Americans for Prosperity.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

A crise explicada aos mais novos



Vídeo bastante explicativo, alguns membros do parlamento podem aproveitar para tirar apontamentos!!

Num país perto de si....


Este país tem muitas coisas boas, empresas competitivas, artistas inovadores, pessoas para quem a excelência é o patamar mínimo. Eles não são a excepção, estão por todo o lado em todas as áreas, mas só são reconhecidos quando recebem prémios internacionais. Sim, nós temos valor, é verdade!! Agora levante os queixos (não percebo a sua admiração), ligue o cérebro e faça alguma coisa positiva!!

Praça Tahir calling


Faz hoje um ano que começaram os protestos no Egipto, ainda há muito por fazer, os objectivos iniciais não foram plenamente cumpridos, por vezes foram dados passos em falso, o caminho a seguir ainda está carregado de "nuvens cinzentas",  mas parabéns pelo que conquistaram e boa sorte para o que está por fazer. 

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A porta da rua é serventia da casa.

Noticia do cavaco CM




Quando li semelhante coisa no Correio da Manhã pensei "Mais uma notícia popularucha, típica desta entidade". Afinal não, a dita coisa alastrava.

Não percebo. Juro que não percebo (mais uma vez). Se posso (quase) concordar que as palavras do PR foram infelizes (quase porque, na minha honesta opinião, não me senti chocada nem melindrada com tais declarações - e eu recebo 630€/mês pago casa, carro e infantário!) posso, também, afirmar que há muita gente (nomeadamente certas e determinadas pessoas de esquerda e orgãos de comunicação social) que não têm nada para fazer, sem ser fomentar mesquinhices e polémicas estúpidas.
Não há dia que uma qualquer declaração, seja de quem for, não seja precedida dum "Este fulano devia pedir a demissão". E assim brincamos com a política de um país que, em vez de falar de coisas sérias, perde-se em guerrinhas de jardim infantil.
Agora uma petição... Mais uma estúpida petição. E ainda por cima eu entendo o conteúdo do que o Sr. disse, da mesma forma uns conhecidos meus cujo rendimento é 10x superior ao meu, estão a ser mais afectados com a crise do que eu, pelo simples facto que, por terem mais dinheiro, as despesas com carros e casas e infantários eram proporcionais e, de repente, a liquidez dos mesmo baixou bastante, bem mais do que a minha. Não é por ganharmos muito ou pouco que não estamos todos a sentir a ncessidade dos cortes. Parem de falar de remunerações, de invejar os dinheiros dos outros. Vivam e/ou sobrevivam com o vosso mas, acima de tudo, preocupem-se com aquilo que é realmente importante.

Estou tão farta da comunicação social... abrem jornais com notícias cada vez piores, e fomentam o jornalismo de meia-tijela. Já quando foi o Eusébio no Hospital (tipo, Anita vai a escola) parecia que não havia nada mais importante no mundo do que a constipação do ex-jogador do Benfica (se ainda fosse Sportinguista....). Eu e a minha filha também estamos doentes e ninguém faz disso notícia - e olhem que ela é bem popular no infantário, a melhor lançadora de chuchas!

O direito a criticar!!



Vamos ver se percebi o que li no Público!! A crónica (no vídeo) deu origem a censura? Percebi bem? Se a resposta é sim, o Ministro responsável vai ter que dar explicações e alguém terá de ser responsabilizado. Se em Angola alguém não gostou problema deles! Em Portugal existe liberdade de expressão, não estamos dispostos a perder isso em troca de negócios. É a Democracia, habituem-se!

As 10 profissões mais stressantes em 2012


O horário que não estica, as horas de almoço curtas e o trabalho que se vai acumulando nas secretárias. Todos pensam que a sua profissão é a mais stressante do mundo, mas na verdade há umas piores que outras.
A revista Exame Brasil elaborou um ranking das profissões onde os níveis de stress são maiores, tendo em conta factores como riscos de morte, competitividade, prazos e viagens.. Veja se a sua profissão é uma das mais desgastantes:
1. Soldado em situação de guerra
2. Bombeiro
3. Piloto de avião
4. General militar
5. Polícia
6. Coordenador de eventos
7. Relações públicas
8. Executivo Sénior
9. Fotojornalista
10. Taxista
Espera... Taxista?!?! Eu cá diria... há empregos que desgastam quem o pratica, mas também quem é servido por eles...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Os julgamentos de H. Kissinger



Neste documentário* é nos apresentada uma perspectiva acusadora, sobre H. Alfred Kissinger, partindo da alegada participação em crimes de guerra na Indochina, Bangladesh, Chile, Chipre e Timor-Leste.
Para os menos atentos, Kissinger foi conselheiro de segurança nacional e secretário de estado, durante a presidência, de Richard Nixon e Gerald Ford. Kissinger desempenhou um papel determinante, na politica externa americana entre 1969 e 1977, numa época em que o mundo era bastante mais cinzento.

*Baseado no livro: "The Trial of Henry Kissinger", de Cristopher Hitchens (1949-2011).
Ler resumo do livro ParteI e ParteII, publicado na Harper's Magazine.

Carolina Drama

Dedicado a Mitt Romney... como não podia deixar de ser!!

Primárias Republicanas II


Afinal as sondagens falham!! Pois é leitores, ao contrário do que estava previsto, Mitt Romney perdeu as primárias na Carolina do Sul.

O grande vencedor foi Newt Gingrich, a alternativa conservadora a Romney, com 40% dos votos. No sábado dia 21, contou com o eleitorado conservador, evangélico e adeptos do movimento "Tea Party" (alguém chame a dona Sarah Palin, ok?). Gingrich apresenta-se, como o candidato que tem ideias, em oposição a Romney o candidato da popularidade.

Em segundo Lugar ficou Romney, com 28 % dos votos, apesar do revés não foi nocauteado. O bispo mórmon Romney, continua a ser o favorito, tem mais meios e é considerado o candidato mais apto a fazer frente a Obama, visto ser um dos moderados do partido factor que o aproxima do eleitorado do centro. Sim, nos E.U.A o centrão também conta!!

Em terceiro ficou Santorum, com 17 %, que deve abdicar da candidatura a médio prazo passando a apoiar, provavelmente, Gingrich.

Em quarto lugar aparece Ron Paul, o independente sofreu uma "pesada" derrota nas suas aspirações, obtendo apenas 13% dos votos.

Conclusões...o eleitorado não é assim tão fácil de prever, cada voto conta, o que é hoje pode não ser amanhã e que venha a Florida dentro de dias!!

domingo, 22 de janeiro de 2012

Porque hoje é Domingo





















Viseu, meio da tarde de Domingo, remexo nos livros e dou de caras com P. G. Wodehouse.
E o meu amigo, desse lado do PC, encolhe o nariz e pensa... Quem é Wodehouse? Porque devo ler Wodehouse?
Bem, Wodehouse é só um dos grandes génios (não é "génio" como o filho ranhoso da sua vizinha, é génio mesmo, pode acreditar!!) da literatura inglesa!! Acha pouco?
Posso adiantar, que é comparado a Shakespeare em termos de domínio da língua, bem como a Dickens pela capacidade de criação de personagens, nos seus textos dá uso ao seu humor para criticar os costumes da Inglaterra do Séc XX.
Já está curioso? Quer saber mais ? Boa... então, vamos com calma!
Em portugal foram recentemente (2007 ainda é recente, certo?) editados, pela Cotiva, através da colecção Os Livros Da Raposa, "O código dos Wooster" e "Época de acasalamento". Estes dois livros, contam as aventuras de Bertie Wooster, um cavalheiro de classe alta com bom coração, propenso para arranjar problemas, sempre acompanhado do seu mordomo Jeeves um "cavalheiro de cavalheiros", educado e inteligente. As histórias ocorrem num mundo louco de "tias de nariz empinado", "primos estouvados", rapazes sem maneiras e raparigas inteligentes.
Se tiver tempo vale a pena ler, seria interessante se este autor fosse mais traduzido. Numa época de crise, o humor "culto" faz falta!!

ps: Procure bem, apenas foram impressos 2000 exemplares na primeira edição.


A propósito das nomeações...

Domingo


Rolls Royce vintage... fish and chips.. ambiente noir. Estou certo que, Inglaterra deve ser perto!!

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Blogs 2011.. local

Toca a votar no Viseu Senhora da Beira, para blog local do Ano, aqui.
A segunda fase está à porta... todos juntos somos muitos!!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Política e Vacas

"Em tempo de crise e de desemprego, Nuno Marques trocou a Ciência Política pela criação de uma raça especial de vacas - a Aberdeen Angus - no concelho da Guarda. Pretende agora comercializar a marca nas grandes superfícies."Politica e Vacas

E foi assim, ao ver hoje o telejornal da Sic, que tive alguma esperança no curso que tirámos. Pena as vacas já terem um investidor. Será que o porco está disponível para investimento?



terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Aposto que apanharam uma sem véu!!


Em Teerão por bem menos, do que ser acusada de ser mais uma ofensiva ocidental contra os valores islâmicos , já muita mulher foi apedrejada. A Barbie teve sorte!! Agora, interrogo-me sobre o que acontecerá ao ken algum imã o irá acolher?

Primárias Republicanas


Estão em marcha as primárias no Partido Republicano, em breve saberemos quem será o candidato anti-Obama, a luta parece centrada em Ron Paul e Mitt Romney.
No momento, em que escrevo, o principal candidato é Mittt Romney, tendo ganho os "caucus" do Iowa por 8 votos (sim, leu bem 8 votos), repetindo a vitória nas primárias de New Ampshire, com 39% dos votos contra os 24,5% de Ron Paul. Relativamente aos próximos rounds, Mitt Romney aparece na frente das sondagens relativas às primárias da Carolina do sul, a realizar no próximo dia 21, bem como para as primárias da Florida e a nível nacional. Na minha opinião será difícil parar o passeio de Romney, mas nada está decidido.

Ps: Digam lá se as primárias com, a inenarrável, Sarah Palin, apoiada pelo movimento Tea Party, não seriam bem mais divertidas? Aposto que sim!!

Ps2: Após recontagem de votos a vitória, em Iowa, foi atribuída a Ricky Santorum por 34 votos. 23/01/2012

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

O Irão, o samba de Dilma, o preço do petróleo e o nosso bolso


O que tem o irão?

De acordo com o Jornal Público, o Irão, no seu estilo democrático, avisou (o verbo avisar deve ser entendido como uma metáfora) as monarquias do golfo para não aumentarem a produção de petróleo, caso o regime de Teerão seja sujeito a um embargo. Embargo que será decidido no decurso, deste mês, de Janeiro.

Entretanto, foi confirmando o que se suspeitava!

A agência Internacional de energia atómica, revelou que a fábrica de processamento de combustível, de Fordow, está em condições de produzir urânio enriquecido. Segundo o regime teocrático, de Ahmadinejad, este material é destinado à investigação científica sobre o cancro. A comunidade internacional, franze o sobrolho pois, acredita que é elevada a possibilidade de estarem a enriquecer urânio, para ser utilizado em ogivas nucleares. Para Teerão o programa nuclear serve, essencialmente, para garantir a sobrevivência do regime.


E o "não caso" Rouseff?

Na última semana, durante 5 dias, Ahmadinejad andou em visita pela América Latina. Mas qual é a novidade? A América Latina sempre fez parte do roteiro de Ahmadinejad, certo?

Bem, a novidade fala português!!!

A Presidente Dilma Roussef, demarcou-se do regime teocrático, resolveu o problema moral criado por Lula da Silva (sim, o mesmo Lula do café da manhã e ainda o mesmo que assinou o tratado nuclear com o Irão) e não recebeu Ahmadinejad. Dilma, ao contrário do ex-presidente que parecia não se incomodar, é adepta do respeito pelos direitos humanos, particularmente das mulheres. Desde a Saída do Presidente Lula, o comércio entre os dois países diminuiu perto de 73%. Para quem pensava que Dilma era uma marioneta criada por Lula, aí está a resposta.


Do dilema de Obama às certezas israelitas.

Barack Obama tem eleições à porta, logo, irá agir com a devida prudência. Já o secretário de estado do tesouro norte-americano, aterrou esta semana em Pequim numa tentativa de convencer a China a aderir às sanções que estão a ser discutidas. De acordo com Leon Panetta, secretário de estado da defesa da administração Obama, para os EUA um Irão com arsenal nuclear é “inaceitável” .


O que nos chega de Israel e Inglaterra?

De um lado, Israel avisou que se o programa nuclear iraniano não parar irá agir militarmente, do outro, o ministério dos negócios estrangeiros britânico afirmou que uma acção militar não está posta de parte.


As consequências imediatas?

O que está em jogo é muito. Desde logo o preço do petróleo, do gás natural e a segurança regional no médio oriente. Desde a escalada dos jogos de guerra, no golfo pérsico, o preço do petróleo já subiu 3 dólares por barril. Segundo o jornal “The New York Times”, existe a possibilidade de subir mais 50 dólares, ou seja perto de 45% do seu valor actual. Recordo que Irão produz 3,5 milhões de barris/dia, 80% dos quais para exportação.


E eu, português, devo temer alguma coisa?

Caro leitor, além das dificuldades adicionais que a situação cria à resolução da crise, quando abastecer, numa bomba da GALP, está a pagar: a Bomba Nuclear de Teerão; o facto de ainda existirem estados, não democráticos, com excesso de poder regional; a nossa (UE) dependência energética; e a falta de poder negocial da União Europeia, que ainda vive sob o guarda-chuva militar dos EUA.


Se calhar a resposta está aqui!!!


A resposta a isto, é porque se calhar o senhor não evoluiu uma polegada!!

Alguém me explica como se eu fosse muito burra?

EDP PLUS CONTINENTE

Tenho visto passar no ecrã um anúncio do continente que divulga uma parceria com a EDP na qual dizem devolver 10% da factura em compras no cartão. Ok. Tenho cartão e 7€ até dão jeito. Mas, ao que parece, as coisas não são assim tão simples. Ao aderir passamos a sofrer uma alteração no nosso contrato. Temos de dar nib's e ingressar no mercado liberalizado (apenas obrigatório em 2015). Desta feita, será esta campanha uma mais-valia ou uma valente aldrabice?

Porque nada disto me espanta.

CGTP ABANDONA REUNIÃO

Porque cada um de nós tem direito à sua opinião, eu resumo esta atitude a uma palavra: Vergonha!

Realmente sou uma, das muitas, que acha que a CGTP e sindicatos não servem rigorosamente para nada, sobrevivem de subsídios do Estado e, se queriam permanecer neste planeta, vivessem em exclusivo do dízimo dos  seus associados e não dos meus impostos. Mas cada vez que transformam reuniões sérias e precisas em circos, mais repúdio me provocam.

Isso ou estou apenas de mau humor porque há dois dias que não durmo - filha com otite e laringite.

Acordo Ortográfico


Naufragar é preciso?


“Começa a ser penoso para mim ler a imprensa portuguesa. Não falo da qualidade dos textos. Falo da ortografia deles. Que português é esse? Quem tomou de assalto a língua portuguesa (de Portugal) e a transformou numa versão abastardada da língua portuguesa (do Brasil)?

A sensação que tenho é que estive em coma profundo durante meses, ou anos. E, quando acordei, habitava já um planeta novo, onde as regras ortográficas que aprendi na escola foram destroçadas por vândalos extraterrestres que decidiram unilateralmente como devem escrever os portugueses.

Eis o Acordo Ortográfico, plenamente em vigor. Não aderi a ele: nesta Folha, entendo que a ortografia deve obedecer aos critérios do Brasil. Sou um convidado da casa e nenhum convidado começa a dar ordens aos seus anfitriões sobre o lugar das pratas e a moldura dos quadros. Questão de educação.

Em Portugal é outra história. E não deixa de ser hilariante a quantidade de articulistas que, no final dos seus textos, fazem uma declaração de princípios: “Por decisão do autor, o texto está escrito de acordo com a antiga ortografia”.

A esquizofrenia é total, e os jornais são hoje mantas de retalhos. Há notícias, entrevistas ou reportagens escritas de acordo com as novas regras. As crônicas e os textos de opinião, na sua maioria, seguem as regras antigas. E depois existem zonas cinzentas, onde já ninguém sabe como escrever e mistura tudo: a nova ortografia com a velha e até, em certos casos, uma ortografia imaginária.

A intenção dos pais do Acordo Ortográfico era unificar a língua. Resultado: é o desacordo total com todo mundo a disparar para todos os lados. Como foi isso possível?

Foi possível por uma mistura de arrogância e analfabetismo. O Acordo Ortográfico começa como um típico produto da mentalidade racionalista, que sempre acreditou no poder de um decreto para alterar uma experiência histórica particular.

Acontece que a língua não se muda por decreto; ela é a decorrência de uma evolução cultural que confere aos seus falantes uma identidade própria e, mais importante, reconhecível para terceiros.

Respeito a grafia brasileira e a forma como o Brasil apagou as consoantes mudas de certas palavras (“ação”, “ótimo” etc.). E respeito porque gosto de as ler assim: quando encontro essas palavras, sinto o prazer cosmopolita de saber que a língua portuguesa navegou pelo Atlântico até chegar ao outro lado do mundo, onde vestiu bermuda e se apaixonou pela garota de Ipanema.

Não respeito quem me obriga a apagar essas consoantes porque acredita que a ortografia deve ser uma mera transcrição fonética. Isso não é apenas teoricamente discutível; é, sobretudo, uma aberração prática.

Tal como escrevi várias vezes, citando o poeta português Vasco Graça Moura, que tem estudado atentamente o problema, as consoantes mudas, para os portugueses, são uma pegada etimológica importante. Mas elas transportam também informação fonética, abrindo as vogais que as antecedem. O “c” de “acção” e o “p” de “óptimo” sinalizam uma correta pronúncia.

A unidade da língua não se faz por imposição de acordos ortográficos; faz-se, como muito bem perceberam os hispânicos e os anglo-saxônicos, pela partilha da sua diversidade. E a melhor forma de partilhar uma língua passa pela sua literatura.

Não conheço nenhum brasileiro alfabetizado que sinta “desconforto” ao ler Fernando Pessoa na ortografia portuguesa. E também não conheço nenhum português alfabetizado que sinta “desconforto” ao ler Nelson Rodrigues na ortografia brasileira.

Infelizmente, conheço vários brasileiros e vários portugueses alfabetizados que sentem “desconforto” por não poderem comprar, em São Paulo ou em Lisboa, as edições correntes da literatura dos dois países a preços civilizados.

Aliás, se dúvidas houvesse sobre a falta de inteligência estratégica que persiste dos dois lados do Atlântico, onde não existe um mercado livreiro comum, bastaria citar o encerramento anunciado da livraria Camões, no Rio, que durante anos vendeu livros portugueses a leitores brasileiros.

De que servem acordos ortográficos delirantes e autoritários quando a língua naufraga sempre no meio do oceano?”


João Pereira Coutinho

In: Folha de São Paulo, 10/12/2012

Reproduzido na revista Veja


sábado, 14 de janeiro de 2012

Ponham-se finos!!


Vocês ponham-se finos, ou mandamos o Mário Soares meter-vos na ordem!!!
Put yourself thin... perceberam? Até os joelhos vos tremem!!! Cobardolas!!

Declaração de princípios


Cara Ângela, estou em total desacordo com o acordo. Escrevo ao abrigo da língua Portuguesa. Neste blog também podemos fumar à vontade.

Novo Acordo

Diz-se por aí que o o novo acordo ortográfico (brasileiro, trocado por miúdos) já "vai sendo" obrigatório. Medo! E nós, também o vamos adoptar por aqui? Pelo sim, pelo não, para não sermos acusados de objectores, mais vale deixar as preciosas regras do novo brasileiro português. Basicas do PT

Cante Alentejano


"No Baixo Alentejo há um cante tradicional específico daquela região, que se chama cante alentejano. O que é o cante alentejano? Como se canta o cante alentejano? O que canta o cante alentejano? Donde veio o cante alentejano?"

Resposta técnica aqui:

Eu sou alentejana. Falo no gerúndio e, por vezes, até cometo o erro de escrever no gerúndio. Sou Baixo Alentejana e, mais do que o Fado, sou representada por esta cultura que passa de boca em boca e não quero ver morrer. 

Foi com orgulho que vi a minha terra de coração e família (Serpa) tomar uma iniciativa desta envergadura. É com o orgulho que vejo, e vi, no último fim-de-semana a reportagem da SIC ao meu padrinho que tão bem falou.

"não há nada mais bonito, que cantar à alentejana" - e se vocês vissem como acabam os jantares de amigos alentejanos (tenham 20, 30 ou 70 anos....)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A democracia na U. E.

De José Junqueiro, passando pela má memória, até à má imprensa

Infelizmente, por diversas razões, vivemos numa era em que o jornalismo, local e nacional, salvo honrosas excepções, pouco mais não é do que um megafone ou o estenógrafo de interesses específicos. Os jornalistas evitam fugir da linguagem do consenso, da harmonia e da inocuidade como se vivêssemos na disneylândia, ou numa Coreia do Norte na qual os grandes líderes não podem ser afrontados com as suas contradições. Poucos são os casos em que existe uma comunicação social local independente e livre, que fuja de uma mentalidade provinciana, que não tenha contemplações relativamente a compadrios ou caciques locais, na qual os rumores sejam levados em conta e devidamente investigados, funcionando como a correia transmissora da democracia. Seria importante, que os órgãos de comunicação locais fizessem bem o seu trabalho, pois a informação local muitas vezes é reflectida a nível nacional e vice-versa. A bem da democracia e da transparência, os políticos devem ser seguidos, de forma justa e não subserviente, pela comunicação social local, evitando que mais tarde aconteçam surpresas.

Imaginem: um político local que é eleito deputado e na Assembleia da República defende um princípio com base na ética, acusando os opositores de fazerem o contrário, mas na sua concelhia política, este deputado, faz exactamente o contrário. Se a imprensa local estiver atenta, de imediato pode acusar esse deputado de ser demagogo. Caso os jornalistas locais nessa hora estejam de férias, mas tenham feito o seu trabalho prévio, será fácil a um jornalista de um órgão nacional consultar a imprensa local, de modo a pôr a nu todas as contradições do excelentíssimo deputado da nação.

Em teoria, esta seria uma notícia para ser explorada, num primeiro plano pela imprensa local e num segundo plano pela imprensa nacional, certo?

Não. Completamente errado! O leitor não acredita?

Então apresento, ao estimado leitor, o deputado José Junqueiro e as contradições em relação ao que escreve no seu blogue, ao que diz na Assembleia da Republica (ver video) e às acções praticadas, que foram levantadas não pela imprensa local, amorfa, sem vontade de investigar e com necessidade de fundos de maneio, mas por meios de comunicação alternativos não domesticados. Em causa não está a validade das afirmações proferidas pelo deputado, mas a contradição em relação ao que exige dos outros e as suas próprias acções.

Em defesa da democracia, devo dizer que, apesar de termos uma comunicação social praticamente domesticada e de a mesma se ter demitido de cumprir as suas funções, ainda temos meios de comunicação alternativos com atitude, sem contemplações ou interesses escondidos, nos quais podemos confiar.

* (Texto originalmente publicado em: http://atribunadeviseu.blogspot.com/)

Especulação Imobiliária

Já vivi em mais casas (compradas ou arrendadas) do que o número de Primeiro-Ministros que este País já teve na sua História. Aliás, foram tantas, que já superei o número de casas comparando ao número de treinadores do meu clube. Só em 365 dias vou para a minha 4ª (sim, quarta). Não sei se foi devido à nova Lei do Arrendamento, se a compaixão dos senhorios em momento de Crise Nacional também está exacerbada mas, em 24 horas, consegui um achado (visitei, amei e...hei-de sinalizar). Assim dá gosto fazer mexer a economia - quando adquirimos sem nos sentirmos lesados.

Este blog precisa de música.. afinal é sexta!!

Este blog recomenda

Aqui, o País e o Mundo, ali (http://atribunadeviseu.blogspot.com/) um pouco mais a Norte. Um blog de um amigo (e colaborador) que eu recomendo.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Seguro vs Sócrates

A propósito disto, resta saber se a ultrapassagem foi pela direita ou pela esquerda, é que o eleitorado ainda não percebeu.

Não haverá a possibilidade de convidar estes senhores ao nosso país? Em caso de sucesso, ofereciamos uma ilha das Berlengas...


O movimento contestatário Otpor ("Resistência") foi criado em 1988 por estudantes da Universidade de Belgrado e contribuiu activamente para a queda do regime de Slobodan Milosevic, em 2000. Falhou na tentativa de se transformar em partido político, mas alguns dos seus dirigentes fundaram, mais tarde, o Centro para a Resistência Não Violenta que influenciou diversos movimentos, designadamente na Geórgia e na Ucrânia, e, mais recentemente, no Egipto.

Feita a introdução, passemos à história propriamente dita. Pelos valiosos serviços prestados a Mohamed Nasheed, na altura em que este foi perseguido e detido, na qualidade de líder da oposição das paradisíacas Maldivas, os fundadores do Otpor, de Belgrado, não foram agraciados com a Ordem Nacional de Mérito nem com qualquer outra condecoração do mesmo género. Como recompensa pelo seu contributo para o derrube (em 2008) do antigo senhor das Maldivas, Maumoon Gayoom, receberam uma ilha paradisíaca - só para eles!!!!
Hoje, Nasheed é o Presidente deste arquipélago situado no oceano Índico e a pequena ilha de Tinadu, pode vir a tornar-se a primeira base marítima dos ideólogos sérvios da luta não violenta. A sua experiência não se ficou pelo derrube de Milosevic. Decidiram exportar a sua experiência revolucionária e já antes obtiveram também os escalpes de alguns regimes políticos decadentes na Geórgia, Ucrânia, Líbano e Egipto!
Assim que aterraram nas Maldivas, os membros desta organização organizaram workshops, debates e explicaram como se estruturavam os movimentos não violentos. O Presidente de então, que, aparentemente não era do mesmo calibre de Lukachenko ou Ahmadinejad, não se deu por achado, ou não se apercebeu de nada. Os jovens rebeldes locais até levaram os seus novos visitantes a conhecer o líder da oposição e foi então que lhes foi prometido: "Se vencermos, dar-vos-emos uma ilha para fazerem um centro de treino. Vamos chamar-lhe a 'ilha da democracia'!" Os planos postos em prática resultaram e Nasheed venceu as eleições presidenciais com a ajuda do Otpor e as suas estratégias revolucionárias, mais a força dos jovens locais.

Na verdade, não me importava de oferecer uma ilha a estes senhores, caso ajudassem a restaurar a verdadeira democracia no nosso pobre país. Ainda pensei na ilha da Madeira inserido no famoso cabaz de oferta, mas coitados não merecem tanto mal... Pelo contrário...