sábado, 23 de novembro de 2013

I-S-P-E-P


Não entendo o alarido, a onda de indignação, e todos os movimentos que têm surgido nas redes sociais contra a marca Pepsi. Estou pois em crer, que é mais um daqueles casos em que a montanha pare um rato... Ora vejamos os factos. Está empiricamente comprovado, ("empiricamente??" - pergunta de si para si o leitor! Se me permitir, apresso-me a esclarecer: a minha fonte é a de senso-comum, sem qualquer rigor científico mas que ganhou consistência na verificação atenta dos (a)casos do dia-a-dia), que a larga maioria de pessoas só bebe Pepsi quando não há Coca-Cola. Pepsi nunca foi assim opção mas falta de alternativa. Eu própria, não me lembro de alguma vez na minha vida ter pedido uma "Pepsi" a um empregado de mesa, sendo que as pouquíssimas vezes que ingeri tal líquido, foi porque ao meu pedido de Coca-Cola o empregado respondeu: "Cola não temos. Pepsi, pode ser?" Ao qual, desmoronando o meu sorriso, rosno um: "Que remédio!". Posto isto, deixo aqui bem claro que não participarei em nenhum movimento ou petição contra tal marca, pois para mim, essa coca-cola-mal-concebida-vulgo-Pepsi permanecerá no campo da indiferença...

segunda-feira, 6 de maio de 2013

A Opinião "Furada" de Sócrates



O expoente máximo do político português encarna na figura de Sócrates. Perdeu o seu espaço e voltou envolto na sede dos media para sobreviver à sua morte política. Mas a inteligência que revelou em momentos passados e que o levaram a manter-se no poder não é tudo. Nem o era mesmo na época dos regimes absolutistas de Maquiavel.
Sobreviver à derrota e ao esquecimento pressupõe também um controlo da sua pessoa, de distanciamento e de manutenção da lucidez. Para se ser um político em toda a sua plenitude, há também que dominar os impulsos, quer sejam de vingança, desconfiança, entre outros.
Estando na linha da frente ou não de um partido ou organização política, Sócrates continua a fazer política na televisão à frente de quem o quer ver aos domingos, mas não o pode nunca fazer com a finalidade de lutar contra fantasmas pessoais. E isso salta aos olhos de todos. O resultado: a luta semanal de Sócrates é ultrapassada pelos comentários de Marcelo…

sexta-feira, 26 de abril de 2013

É tempo de pensar

Neste discurso inaugural do congresso, José Seguro parecia Rocky Balboa (Stallone). Tal como Balboa encobria a sua pobreza ou o seu embaraço com uma piada, por vezes má, Seguro encobriu a falta de ideias e/ou alternativas com um sorriso, quase sempre sem convicção.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

O Jogo Duplo




Eu estava convencido de que as coisas haviam mudado no nosso país. Provavelmente pelo recente “muro” constitucional, o governo teria colocado freios no seu destrambelhamento de medidas rumo ao desastre nacional...
Como prova desta mudança bastava olhar para Berta Cabral (recente escolha governativa para a secretária de Estado da Defesa) que em 2012 vociferava: “Eu tenho um passado. Eu não nasci ontem para a política. As pessoas conhecem a minha obra social feita até agora. As pessoas sabem a minha sensibilidade para as questões sociais. (…) Nunca virei a cara a esses problemas”. E mais: “Alguém me acha parecida com o Dr. Passos Coelho? Alguém acha que tenho um passado que leve as pessoas a pensarem que sou igual ao Dr. Passos Coelho?”.
Até a Dona Berta havia sucumbido às tentações deste "novo" governo! 
Eu cá não me resignei com tal mudança de approach e fiz as minhas próprias investigações. Afinal, tudo assim tão rápido e sem aviso prévio? Pois é meus amigos, cuidado: Ela acabou de cair de para-quedas na secretaria da Defesa! E que melhor sitio para guerrilhar este governo desde o seu interior? A sério, esta mulher fez e continuará a fazer jogo duplo… Não é verdade, Malato?



segunda-feira, 22 de abril de 2013

A Vergonha


A democracia, a liberdade, a reforma, a participação, a retoma, a cooperação, a integridade, a verdade, a vontade, o respeito, o humanismo, a competência, a falta de mediocridade, só virão depois de ganhar vergonha na cara... E aqui vai: GANHEM VERGONHA!!!

sábado, 6 de abril de 2013

Sem Seguro

Seguro: "Estou disponível para substituir este governo"  
Jornalista: "E como acha que se deve cobrir este buraco de mil milhões de euros?" 
Seguro: "Quem arranjou o problema que o resolva."

Não é Monthy Python é consideravelmente melhor... é António José Seguro